O Fim de Tarde de Uma Alma Com Fome - Col. Livros da Ilha

O Fim de Tarde de Uma Alma Com Fome - Col. Livros da Ilha - Medeiros,Sérgio | Hoshan.org Leia o livro diretamente no seu navegador. Baixe o livro em formato PDF, TXT, FB2 em seu smartphone. E muito mais em hoshan.org.

EM FORMAÇÃO

AUTOR
Medeiros,Sérgio
DIMENSÃO
10,42 MB
NOME DO ARQUIVO
O Fim de Tarde de Uma Alma Com Fome - Col. Livros da Ilha.pdf
ISBN
2772535774949

DESCRIÇÃO

O “Fim de Tarde de uma Alma com Fome”, o poema dramático de Sérgio Medeiros, tem ares pessoanos na ambientação indefinida e nebulosa, entre a noite e o dia, a vida e a morte, em que dois personagens, um soldado e uma velha, se conhecem e dialogam. Mas enquanto os poemas dramáticos de Pessoa procuram induzir o leitor a uma espécie de claustrofobia onírica, os três atos de O fim de tarde de uma alma com fome são voltados para fora, numa poética radical de intertextualidade. Já nas instruções de leitura, aprendemos que cada ato é uma versão (da mesma história?), e que os atos podem ser lidos em ordens distintas. E não é só isso: o leitor pode optar por substituir uma ou duas das versões por outros textos, entre os quais o Popul Vuh maia-quiché e o volume de clássicos amazonenses Makunaíma e Jurupari. O poema, então, compõe-se e recompõe-se nesse diálogo com obras distintas, onde o motivo comum é a cultura ameríndia na sua relação com as línguas e as culturas americanas. Dos vários textos que fazem parte desse diálogo intertextual, o mais importante é a narrativa pemon “Como os venenos azá e ineg, para matar peixes, vieram ao mundo”, de Makunaíma e Jurupari. É desse mito que vem o casal que dialoga no poema: a anta, isto é, a velha, ou alma canibal, e o humano – neste caso um soldado que se separou do seu pelotão. Como no conto pemon, o diálogo entre esses seres de espécies distintas é marcado por diferenças perspectivistas: o que para ela é uma cobra, para ele é um fogão; o que para ela são pérolas, para ele são carrapatos, e assim por diante. Mas se o perspectivismo, para Viveiros de Castro, se localiza no mundo mesmo das diferentes pessoas (pessoa anta ou pessoa humana), aqui ele é uma questão de língua. A poesia de Sérgio Medeiros surge precisamente dos jogos de entendimento e desentendimento entre essas duas línguas: a da anta (a velha ancestral indígena) e a do soldado (em outras palavras, o estado-nação) matricida.

Encontre diversos livros escritos por Sérgio Medeiros com ótimos preços. O fim de tarde de uma alma com fome, o poema dramático de Sérgio Medeiros, tem ares pessoanos na ambientação indefinida e nebulosa, entre a noite e o dia, a vida e a morte, em que dois personagens, um soldado e uma velha, se conhecem e dialogam.Mas enquanto os poemas dramáticos de Pessoa procuram induzir o leitor a uma espécie de claustrofobia onírica, os três atos de O fim de tarde de ... O fim de tarde de uma alma com fome, o poema dramático de Sérgio Medeiros, tem ares pessoanos na ambientação indefinida e nebulosa, entre a noite e o O Fim de Tarde de Uma Alma com Fome (Em Portuguese do Brasil) | Sérgio Medeiros | ISBN: 9788573214611 | Kostenloser Versand für alle Bücher mit Versand und Verkauf duch Amazon. Noté /5. Retrouvez O Fim de Tarde de Uma Alma com Fome (Em Portuguese do Brasil) et des millions de livres en stock sur Amazon.fr.

Achetez neuf ou d'occasion Bom fim de tarde para todos! ;) Para terminar o dia de hoje em grande, partilhamos convosco um passatempo a decorrer em parceria com o blog SILÊNCIOS QUE FALAM, no qual poderão ganhar o livro A... O final da tarde é a parte mais especial do dia. Ela tem uma beleza diferente, algo místico, mágico.

LIVROS RELACIONADOS